Alfredo Wagner 2


Na Capital Catarinense das Nascentes aprendi sobre colonização e finitude.

Como era de se esperar com esse título, aqui há muita água.

Rio Caeté

Rio Caeté

Muita água e pouca internet móvel 🙂 Em vão comecei a caçada por redes sem-fio abertas. Então lembrei: onde seria possível conseguir qualquer coisa?

Fui tratado da melhor maneira possível, utilizei a internet do posto e no final perdi o papel com os nomes dos bons samaritanos! Caso leiam o post, me enviem.

Comecei a procurar hospedagem pelo Couchsurfing. Há dois usuários em Bom Retiro: Fabrícia e Mauro. A Fabrícia mora a 30km da cidade, o que inviabilizou. Já o Mauro aceitou a solicitação e lá fui eu em busca de sua casa.

Parque Aquático Salto das Águas

Parque Aquático Salto das Águas

Ele mora a uns 3km do centro, num início de zona rural. No caminho muitas imagens interessantes, como o campinho que me transportou aos tempos áureos de São Paulo e Duartina. Eu jogava o fino da bola…

Em backuground uma paisagem serrana tão bela e presente em Santa Catarina. E um frio de lascar!

Fui recebido por um labrador preto e uma vira-lata amarela bem pequena, ambos bem mansos. O Mauro é escritor, editor e diagramador do jornal da cidade. Ele mora em uma casa com sua esposa e tem uma segunda (casa) disponível, onde recebe os hóspedes.

Seu tempo era curto, mas suficiente para me contar algumas histórias.

Ele escreveu um livro sobre abelhas e está pesquisando para o segundo, que será sobre a colonização da cidade. Parte do território de Alfredo Wagner pertencia a um ex-escravo e tribos indígenas passavam pela região mas não permaneciam pois a área sofria inundações frequentes. Ainda hoje, todo o Vale do Itajaí alaga de tempos em tempos.

Sua cadelinha amarela já lutou com um leão baio – aquela área foi rota de passagem de uma família dessa espécie. O Mauro tinha dois cães naquela ocasião, um levou uma patada forte e não resistiu. A amarelinha foi encontrada toda ensanguentada, mas sobreviveu. Já o leão baio sofre o risco de extinção devido à caça, à limitação territorial e à ausência de presas. Parabéns a todos nós pela destruição do nosso planeta.

Somos tão ignorantes e nos julgamos inocentes nesse processo todo. Mas certamente pagaremos pela inércia e por cada ato de consumo inconsciente.

Apesar das diversas iniciativas isoladas, o cenário global é MUITO preocupante e ele se mostra nos detalhes como na redução da população de abelhas.

Foto: Mike Blake/Reuters

Foto: Mike Blake/Reuters

O relatório do IPBES da ONU (Plataforma Intergovernamental Político-científica sobre Biodiversidade e Serviços de Ecossistemas) de 26/02/2016 revelou que vem ocorrendo uma extinção gradativa das abelhas e outros seres que polinizam o planeta. E segundo Einstein:

Se as abelhas desaparecerem da face da Terra, a humanidade terá apenas mais quatro anos de existência.

Aproxima-se o início da contagem regressiva.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 thoughts on “Alfredo Wagner

  • anna rizzo

    Êita moço rápido, ainda q seja de bike!!!! rs. Um pouco q fico sem lhe acompanhar e vc já ganhou km rodados.
    É, os humanos precisam rever seus valores com urgência, pois a contagem regressiva está acelerada, para a colheita dos frutos decorrentes das atitudes in
    consequentes. Todos temos “culpa no cartório”, ainda q hj sejamos um pouco conscientes.
    Bjs e boa sorte!!!!

    • Factivel Autor do post

      Nem tão rápido, mas sempre para frente 🙂
      É muito preocupante o cenário, Anna. Você vê uma cidade como São Paulo: ela é tudo, menos uma cidade saudável. É puro cinza, no sentido ao mesmo tempo mais real e figurativo possível.
      A mudança começa com a gente mesmo, já!
      Beijos