Por quê?


porque

A nossa existência aqui é toda baseada na grande premissa de que nós somos especiais.

Mas não somos. Somos apenas iguais a todo mundo.

Olhe para nós: um bando de pessoas enganadas pela mesma ridícula farsa.

O teu verdadeiro eu está sendo sufocado.

O teu verdadeiro eu está sendo negado e negado neste tipo de vida.

As pessoas ficam melhores quando têm uma vida de que realmente gostam.

A rotina

Eu gosto de trabalhar: colaborar com os meus clientes, utilizar o meu potencial e me sentir útil. E gosto de resolver problemas, creio que essa seja a minha grande aptidão.

Mas não gosto da rotina. Ela aprisiona o meu espírito.

A cada dia seguimos pelo mesmo trajeto, comemos nos mesmos restaurantes, teremos os mesmos amigos para sempre.

Nós estamos cumprindo pena e não percebemos. Grades imaginárias nos cercam e conduzem a nossa vida.

Para compensar a nossa entrega, preenchemos os nossos vazios comprando coisas que nos fazem acreditar serem essenciais.

Você troca de carro e depois de 3 meses percebe que é apenas outro pedaço de lata sobre rodas. E você é a mesma pessoa com um carro novo.

O novo celular tem uma câmera inacreditável, mas você sempre vê as mesmas cenas. Como pude esquecer?? Vamos sorrir nos selfies…

A vocação

Presumindo que há uma verdadeira vocação esperando por você, seria provável que você a descobrisse com a tua rotina atual?

Eu não acho que descobrirei coisa alguma assim.

E também não creio que você descobrirá.

O conselho

Seja guiado pelos seus sonhos e não empurrado pelos seus problemas. Não tem tempo? Sim, você tem 24 horas por dia e sabe muito bem o que fazer com elas. São tuas escolhas, não falta de tempo.

O exemplo

Se o meu porquê ainda não ficou claro: Porque a vida é curta demais para ser pequena!

As referências

. Entre Rotina e Vocação, texto adaptado do livro Revolutionary Road, do escritor Richard Yates;
. Em O Conselho, frase do palestrante Marcio Kühne;
. Em O Exemplo, frase do escritor Benjamin Disraeli e animação In The Fall, do artista Steve Cutts.